Como Reconhecer um Ataque de Asma Numa Criança

Resultado de imagem para Asma Numa Criança

A asma é uma condição em que as vias aéreas ficam estreitas, pois o revestimento das vias aéreas fica inflamado e os músculos em volta das vias aéreas ficam contraídos. Esta doença é caracterizada por "ataques" periódicos - os sintomas pioram severamente, e a pessoa fica com dificuldades de respiração. Se não for tratado rapidamente, um ataque de asma pode evoluir e levar a doenças graves e até à morte. Logo, é crucial reconhecer um ataque de asma numa criança o mais rápido possível.

Preste atenção a qualquer menção de problemas em respirar. Uma criança mais velha, ou uma criança que já teve problemas com ataques de asma podem falar a você, diretamente, que está com problemas para respirar ou não consegue respirar.


Leve a sério reclamações sobre dores no peito. Uma criança que estiver tendo um ataque de asma pode reclamar de dores no peito ou uma sensação de aperto no peito. A dor no peito é comum durante ataques de asma, pois, quando o ar está preso nas vias aéreas, a pressão no peito aumenta.

Reconheça as limitações da criança. Lembre-se que uma criança mais nova, ou uma criança que nunca teve um ataque de asma antes podem não saber como articular a falta de ar ou a dor no peito. A criança pode entrar em pânico e não conseguir descrever os sintomas de forma clara; ela pode, também fazer declarações gerais, dizendo que se sente estranha ou doente. Não ache que a criança não está tendo um ataque de asma só porque ela não está reclamando de dores no peito ou dificuldades de respirar.


Fique de olho na respiração rápida. Normalmente, a criança não deve respirar mais de 20 vezes por minuto. Se a criança estiver respirando mais rápido que isto, ela pode estar com dificuldades de respirar.

Veja se a criança está se esforçando para respirar. Uma criança que respira normalmente usa, principalmente, o diafragma, mas uma criança que está com um ataque de asma utiliza outros músculos para trazer mais ar. Você poderá perceber que o pescoço, o peito e a barriga estão "trabalhando" mais.

  • Uma criança que está com dificuldades de respiração irá ficar numa postura corcunda, com os braços em volta dos joelhos ou de uma mesa. Esta postura ajuda a colocar os braços e as omoplatas no lugar, para que os músculos que normalmente movimentariam o braço em direção ao peito possam trabalhar em mover o peito para fora, em direção ao braço. Se perceber esta postura, a criança pode estar tendo um ataque de asma.

Procure por retrações. Verifique se existe uma retração entre e logo abaixo das costelas quando a criança respira - estas são as chamadas retrações. Elas ocorrem quando os músculos puxam com mais esforço para conseguir ar, mas o ar não se move rapidamente para encher o espaço, pois as vias aéreas estão bloqueadas.

Veja se as narinas estão "queimando". Quando uma criança estiver com dificuldade de respirar, você verá as narinas "queimando".
  • Narinas "queimando" são um sinal bem útil de um ataque de asma em bebês e crianças bem novas, que podem não conseguir lhe comunicar os sintomas, ou assumir a posição corcunda, típica de crianças mais velhas.
Ouça o barulho da respiração. As crianças que estão com ataque de asma geralmente fazem um som de apito, bem leve, com um componente vibratório,quando respiram. Isto acontece quando o ar é forçado por uma passagem muito estreita.
  • Você pode ouvir este barulho tanto quando ela inala ou exala, mas saiba que em ataques leves, ou logo no início de um ataque mais grave, você pode ouvir apenas quando a criança exalar.

Percebe se ela tosse. A tosse pode também indicar um ataque de asma. Isto acontece porque a tosse faz com que a pressão aumente nas vias aéreas, forçando que as vias aéreas abram-se, permitindo, temporariamente, melhor passagem do ar.
  • Tosse persistente, à noite, é um sintoma comum de leve asma, nas crianças. No entanto, se a criança tossir repetidamente por muito tempo, ela provavelmente está tendo um ataque.

Avalie a aparência geral da criança. As crianças que estão tendo ataques de asma geralmente parecem doentes. Se você olhar para a criança e perceber que ela está com problemas ou que "algo está errado", confie neste instinto.

Veja se a pele está pálida ou úmida. Quando as crianças têm ataques de asma, os corpos delas trabalham muito apenas para respirar. Como resultado, a pele pode parecer úmida ou suada, mas, ao invés de ficar vermelha e rosada, como se estivesse fazendo exercícios, ela parece pálida ou branca. Isto acontece porque a criança não está respirando o suficiente, e o ar oxigenado não está sendo espalhado na pele.

Veja se a pele está com uma coloração azul. Se notar uma coloração azul na pele, ou se os lábios ou unhas estiverem azuis, o ataque de asma é sério. A criança está com pouquíssimo oxigênio e precisa de cuidado médico imediato.

Dê medicação de asma. Se a criança já teve ataques anteriormente, provavelmente já tomou medicamentos contra asma. Se for seu filho, administre a medicação imediatamente.
  • Se a criança não for seu filho(a), então tente localizar os pais, autoridades da escola ou qualquer pessoa que possa administrar a medicação.
Se os sintomas forem leves, ligue para o médico. Se o ataque for leve, mas os sintomas persistirem após administração da medicação, contate o pediatra da criança. Ele pode querer realizar o tratamento contra a asma em seu consultório.

Vá ao pronto-socorro se os sintomas forem severos. Se os sintomas sérios persistirem depois da medicação, ou se a criança estiver cianótica (lábios ou unhas azuis), vá a um pronto-socorro o mais rápido possível. A criança precisa de tratamento imediato para evitar a possibilidade de dano cerebral ou morte.
  • Se você possuir medicação contra asma para a criança, você poderá administrá-la no caminho para o pronto-socorro, mas não espere se os sintomas forem graves. Garanta a segurança da criança ajudando-a imediatamente.
Fonte: wikihow
Compartilhar no Google Plus

Redação Brasil do Trecho

Toda publicação possui a fonte citada no final. / contato: (61) 8319-2362
    Comemtar
    Comentar com Facebook

0 comentários:

Postar um comentário